Para cada necessidade, um tempo: confira cinco ações que escolas devem priorizar para crianças aprenderem mais e melhor

Concentrar-se em uma única atividade pode ser complicado. Neste minuto, você está 100% ligado em uma tarefa ou pesquisa dentro do seu trabalho e, no segundo seguinte, vem ela, sorrateira: a distração. Uma mensagem no celular, um bocejo que revela aquela noite mal dormida, o primeiro sinal de fome lembrando que a hora de tomar um cafezinho ou de fazer aquele lanche está chegando. Aí, o envolvimento com a atividade principal se perde e seu pensamento se concentra em outras coisas. Acontece muito com você? Pode ser que sim. Crianças também passam por essa situação, principalmente na escola.

Aprender requer concentração. Mas para estar atenta ao que é ensinado, a criança precisa estar saciada de qualquer outra necessidade, seja relativa ao descanso, à alimentação ou ao entretenimento. O neurocientista Sidarta Ribeiro lembra que muitas dessas carências vêm da própria casa. Grande parte dos alunos partem em desvantagem de recursos logo que acordam para ir para aula. “Eles vêm de ambientes em que são privados de sono, pois dormem junto com outros integrantes da casa e quando um acorda, todo mundo acorda junto. A comida é escassa e não existe nenhum espaço para fazer exercícios, se esticar e alongar”, detalha Sidarta em reportagem da agência de notícias Porvir (confira detalhes em: http://porvir.org/escola-deve-respeitar-hora-de-brincar-comer-e-dormir).

Na educação infantil, cada momento do dia tem um significado e uma relevância para cada aluno. A escola deve buscar ao máximo respeitar as necessidades primárias que, quando supridas, ajudam e muito a criança a centra-se no aprendizado, realizar tarefas com início-meio-fim e otimizar o rendimento. Assim, ela se sente muito mais animada para continuar aprendendo. Confira abaixo a lista que preparamos com cinco necessidades que precisam ser priorizadas no ambiente escolar.

1 – Comer

O cérebro é o principal órgão do processo de aprendizagem e precisa estar nutrido com energia para funcionar da melhor forma. Por isso, os hábitos alimentares estão ligados diretamente com o rendimento dos estudantes. A ciência já mostrou que criança alimentada pode apresentar melhor aproveitamento e melhores notas. Por outro lado, quando não comem bem – ou seja, quando não têm acesso aos alimentos certos, na quantidade e na qualidade necessárias e também nos horários indicados – os alunos mostram desânimo e não respondem adequadamente aos estímulos.
0004_1_B_Desenhos_PostInformativo_IE 
2 – Hidratar

A hidratação é essencial para qualquer idade. O consumo de água de qualidade favorece o raciocínio, ajuda na concentração e, inclusive, alivia a ansiedade – uma das principais causas de mau desempenho em provas, por exemplo. Já a falta de água no organismo dificulta a memorização e atrapalha as crianças até mesmo no momento de realizar contas matemáticas simples. A visão também é prejudicada e o ato de focar o olhar na tela do computador ou na página de um livro fica mais difícil. A pesquisa “A falta que o saneamento faz”, divulgada pelo Instituto Trata Brasil, indicou que o aproveitamento escolar das crianças cai 18% quando não há acesso ao saneamento básico, que inclui o abastecimento com água tratada.

0004_1_B_Desenhos_PostInformativo_IE_013 – Alongar

As atividades nas escolas estão ganhando novas configurações, que fogem um pouco do tradicional formato em que a criança passa horas e horas sentada em uma cadeira em frente à lousa. Mas, ainda assim, é normal os alunos permanecerem na mesma posição por muito tempo durante as aulas. O ato de fazer pausas de alguns minutos e permitir que as crianças se alonguem traz benefícios importantes na aprendizagem, como o alívio do estresse muscular, causado por uma tarefa repetitiva ou pela postura demorada, e a melhora na absorção de conteúdo nas horas seguintes. Isso acontece porque o alongamento descansa partes tensas do corpo e prepara o organismo para receber novas mensagens. O corpo tem a necessidade de passar por essas sessões de relaxamento e os alongamentos são alternativas rápidas, com muito resultado. Permita que as crianças se alonguem sempre que sentirem essa vontade.
0004_1_B_Desenhos_PostInformativo_IE_02
4 – Brincar

Você arriscaria um verbo que possa ser mais ligado ao universo infantil? Difícil. Afinal, na mente de uma criança, brincar é a principal atividade que ela tem. É natural. É uma necessidade. Apenas brincando muito a criança sentirá que o dia realmente fez sentido, que foi completo e feliz. Na escola, as brincadeiras não podem ser subestimadas e precisam ter um tempinho reservado para elas. É o tempo para a criança ser criança de verdade.

0004_1_B_Desenhos_PostInformativo_IE_035 – Descansar

O desinteresse ou a dificuldade em estudar pode ter origem no cansaço. O rendimento escolar depende também do que a criança faz com o corpo e isso inclui repousá-lo. Na educação dos pequenos, a escola deve se esforçar para incluir intervalos na agitação do dia e criar uma rotina de descanso. Se a estrutura física permitir, o ideal é que creches, pré-escolas e outras unidades que atendem crianças tenham um espaço fixo, tranquilo e confortável para esse momento de recarregar as energias: uma sala à meia-luz, com travesseiros, almofadas e colchonetes, música baixa e relaxante ou mesmo o silêncio – ideal para um período de sono. Depois de um rápido descanso, as crianças podem até despertar um pouco preguiçosas, mas logo vão estar mais dispostas a retomar as atividades.

0004_1_B_Desenhos_PostInformativo_IE_04