Não subestime o poder da cultura: 5 motivos pelos quais as artes precisam fazer parte da nossa vida

Talvez você nunca tenha subestimado-as e realmente ninguém tem razões para isso. Afinal, a arte e a cultura estão mostrando como nunca a grande capacidade que têm de gerar empregos (muitos) e renda, transformar espaços, atrair visitantes e consumidores, educar e desenvolver o ser humano. Além, claro, das paixões que despertam e dos momentos de diversão e entretenimento que poucas coisas na vida conseguem proporcionar na mesma intensidade.

As filas para visitar exposições, as sessões de cinema cheias e a busca cada vez maior por shows não nos deixam mentir que a arte atrai cada vez mais o ser humano. Por isso, é uma área estratégica que, se força já tem, tem ainda muito potencial para não parar de crescer.

O Brasil pode ser dividido em cinco setores culturais e criativos, de acordo com o Ministério da Cultura: patrimônio (materiais e imateriais, museus e arquivos); expressões culturais (artesanato, artes visuais, culturas afro, indígena e populares); artes e espetáculo (dança, música, circo e teatro); audiovisual, livro e literatura (cinema e vídeo, e publicações); Criações funcionais (moda, arquitetura, design e arte digital). São campos extremamente vastos e férteis, onde milhões de pessoas crescem profissionalmente, aprendem e muitas outras forças são reveladas.

1 – Na cultura se faz carreira0004_1_A_PostInformativo_IE_1Todo setor produtivo gera emprego. Com a indústria da cultura não é diferente. Veja um dado global: em 2015, a Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco) divulgou que a indústria cultural e criativa gera 29,5 milhões de empregos no mundo, superando outros segmentos da economia. O emprego cultural engloba tanto as profissões bem particulares do universo artístico – sejam músicos, bailarinos, atores, produtores, roteiristas, artistas plásticos, artesãos e uma infinidade de outras funções – quanto aquelas que não têm uma ligação íntima com a arte, mas que exercem suas atividades dentro de uma unidade cultural. Aí, entram os trabalhadores administrativos, técnicos, operacionais, entre outros.

Além de empregar, os salários da cultura são mais altos. A média salarial dos empregados em atividades culturais era, em 2012, de R$ 1.553 mensais contra a média de R$ 1.460 dos trabalhadores do país de uma forma geral – número 6% maior (dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE). No setor privado, em 2010, os trabalhadores da cultura recebiam R$ 2.144 em média, já o total de trabalhadores em geral recebia média de R$ 1.650. A diferença é de 30%.

O Brasil conta com 320 mil empresas ligadas à produção cultural, que representam quase 6% do total do país, e geram 3,7 milhão de empregos formais – o equivalente a 8,5% dos postos de trabalho dos país. Apesar dos levantamentos terem sido feitos alguns anos atrás, eles permanecem válidos por fazerem parte de uma pesquisa estrutural, que demora para perder a validade.

2 – A arte preenche espaços como ninguém0004_1_A_PostInformativo_IE_2Os espaços e as intervenções culturais dão mais movimento aos bairros. Um ambiente onde casas, comércios, escritórios, escolas e outros imóveis se misturam a teatros, museus, galerias para exposições, feiras de artes, ateliês e bibliotecas se torna muito mais bonito, educativo e, inclusive, mais seguro. São lugares onde a criatividade pode pulsar. A presença de estabelecimentos culturais revitaliza profundamente uma região.

3 – Mais visitas, mais circulação, mais renda0004_1_A_PostInformativo_IE_3Qualquer seja a cidade, ter um itinerário cultural é uma necessidade. As oportunidades de entretenimento, de contemplação da arte em suas mais variadas formas e também de compras (neste caso, compra de produtos culturais) que os municípios oferecem são fatores que muitos visitantes levam em consideração na hora de programar o destino dos passeios do fim de semana ou mesmo das férias.

Assim, quanto mais intensa, diversificada e bem estruturada for a cena artística, mais pessoas com potencial de consumo irão até ela, movimentando a economia em cascata – já que o turista acaba direcionando parte dos seus gastos em bares e restaurantes, hotéis e serviços de transporte.

4 – Para educar e revelar talentos0004_1_A_PostInformativo_IE_4Uma pessoa nunca mais será a mesma depois de ler um bom livro, conferir uma exposição, assistir uma peça de teatro ou um filme que a surpreenda e a faça pensar. Na infância, essas experiências geralmente são mais marcantes ainda. Por isso, nas escolas, a educação pode ir muito além do modelo tradicional, com professor e aluno, caderno e caneta, carteiras e lousa. E se trocarmos a sala de aula por um museu ou um tablado de dança? Ou substituir, às vezes, o quadro-negro por uma tela de pintura – seja já preenchida, para ser apreciada; seja em branco, esperando para ser transformada das mais variadas formas, com originalidade, ideias próprias e pensamento criativo. Que tal?

A arte e a cultura são métodos com os quais os alunos tendem a se identificar mais rápido, que divertem e despertam uma atenção diferente. Além disso, a atividade cultural pode (e deve) carregar ensinamentos sobre qualquer matéria tradicional da grade curricular e ainda mensagens e experiências úteis para a vida, que conscientizem, colaborem na preservação, libertem e encorajem. Essa abertura de mentes para a criatividade costuma revelar talentos e mostrar caminhos para grandes carreiras.

5 – Menos distância entre as pessoas0004_1_A_PostInformativo_IE_5Arte também existe para acolher e reunir pessoas. É fundamental que os espaços e as produções culturais sejam acessíveis para todos os públicos, tanto em termos financeiros (que sejam de simples aquisição ou mesmo gratuitos, incentivados por organizações públicas ou privadas) quanto geográficos (presentes em todas as cidades e comunidades). A cultura promove a inclusão e abriga a diversidade. Quando estão presentes em um mesmo espetáculo, não há diferença entre as pessoas e todas estão conectadas de alguma forma, independente da classe social, escolaridade ou limitação física.

A inclusão também acontece com a geração de novas oportunidades. Projetos que usam a cultura como instrumento de trabalho ajudam a romper dificuldades que muitas vezes atrapalham o desenvolvimento da população e são eficazes para ampliar a formação intelectual das pessoas e torná-las mais bem preparadas para a vida.